...e depois, com bigodes de leite, pedem mais paciência e esforço ao povo, que a "vaca 'tá seca".

terça-feira, 29 de abril de 2014

DESTE UM PULO

A minha boneca é teenager daqui  2 dias. A aceitação de roupa e calçado como prendas (uma ideia que repudiava, há pouco tempo) é prova que está a encetar mais uma etapa, que se sucedem num piscar de olhos.
Paradoxalmente, com os 'degraus' cada vez mais espaçados, os adultos dão passos de bebé, e os miúdos passos de gigante - se bem que, dizer que parece que foi ontem que nasceram, é claramente um exagero, como malfadadamente provam as nossas fotografias da época.
O mai' novo também 'mexe', está a acabar a primária. Os paizinhos foram todos arregimentados por uma homónima para comprarem uma bicicleta ao professor. Podia discorrer sobre o consumismo, o viver acima das possibilidades, et caetera, mas fico-me por uma comparação: no meu tempo, dava-se um desenho ao professor, agora dá-se um quadro de carbono.
   

sábado, 26 de abril de 2014

JOSÉ ANTUNES NO 25/4

Eduardo Gageiro e Alfredo da Cunha são 'Os' Fotógrafos do 25 de abril de 1974, mas há um terceiro a compor o ramalhete, também com fotografias icónicas: José Antunes.
É dele a imagem do momento mais crítico do dia, o 'duelo' falhado da Rua do Arsenal, continuado ali perto, na Ribeira das Naus, onde se destacaram 3 figuras: dum lado, o bravo Salgueiro Maia; do outro, o alferes Fernando Sottomayor, que recusou fazer fogo sobre a coluna da EPC, tendo sido detido, e o cabo apontador José Alves Costa, que se trancou no chaimite, fingiu não saber mexer no painel de controlo e, assim, recusou obedecer ao brigadeiro Junqueira dos Reis e bombardear os revoltosos.


Rua do Arsenal

Chiado

Largo do Carmo

Noticiário RTP do dia 25 de Abril de 1974


 
O telejornal da RTP do 'dia inicial inteiro e limpo', como lhe chamou Sophia de Mello Breyner, é um documento histórico único: uma maratona, com declarações repetidas, intercaladas por música (primeiro, um conservador Beethoven, depois um mais arrojado Vinícius de Morais), sem guião - a lembrar o telejornal da guerra do golfo, com novidades às pinguinhas e a 'encher chouriços'.
Curioso, um Fialho Gouveira a fumar cigarros, uns a seguir aos outros, e o seu entusiasmo crescente, confirmando-se a irreversibilidade do coup: já era tudo camarada.

terça-feira, 22 de abril de 2014

O GRUMETE SALGUEIRO MAIA

A propósito dos 40 anos do 25 de Abril de 1974, num encontro no Posto de Comando da Pontinha, em Lisboa, onde foi instalado o controlo das operações do MFA, 2 dos quatro militares de Abril presentes manifestaram a sua discordância com a ideia de Manuel Alegre, de trasladar o corpo de Salgueiro Maia para o Panteão Nacional.
“O espetro político pegou no capitão Salgueiro Maia e transformou, 'santificou' o capitão Salgueiro Maia, que foi um tipo importantíssimo, que teve um papel que está descrito em todo o lado, mas passou para 2.º, 3.º, 10.º plano, esquecendo-os, Melo Antunes e Vítor Alves. Esses estão completamente afastados. O Salgueiro Maia concentra as atenções e o heroísmo. É um ícone. E agora querem pôr o ícone no Panteão”, declarou o major na reserva Sanches Osório. Para ele, a classe política elevou a símbolo da Revolução dos Cravos um executante, esquecendo os estrategas do plano, e, apesar de “imensa consideração pelo Salgueiro Maia”, que, afirmou, “não está em causa”, assim como não está a importância que o papel desempenhado pelo capitão teve para o sucesso da operação, Sanches Osório não deixou de fazer a comparação: “É a mesma coisa que dizer ao comandante de uma lancha: você fez um trabalho notável e nós agora vamos condecorar o grumete”.
“É antipático e impopular o que eu acabo de dizer, mas é o que eu sinto”, acrescentou.
O general Garcia dos Santos considerou a ideia da trasladação "um profundo disparate", afirmando que a transformação de Salgueiro Maia num ícone e o seu “endeusamento” como “figura máxima” da revolução explicam-se com o facto de ter morrido novo, ainda “em capitão”: “Está a ser levado a pontos que não justificam, porque há figuras que nunca mais foram chamadas a ocupar o lugar que, de facto, deviam ter em todo este processo”, citando também Melo Antunes e Vítor Alves.
 
O corpo de Salgueiro Maia deve estar onde está, em Castelo de Vide, por uma razão apenas, foi isso que ele quis expressamente*: caso tivesse voto na matéria, também lhe desagradaria a ideia de Alegre.
É verdade que a recusa de cargos (membro do Conselho da revolução, adido militar numa embaixada à escolha, governador civil de Santarém, membro da casa militar da PR) e uma morte precoce são românticas, e que houve protagonistas não menos importantes. Não sei se, nesta espécie de campeonato, Salgueiro Maia tem primazia face aos 'estrategas', mas sei que foi Salgueiro (com 29 anos), e não outros, que se expôs aos canhões da fragata colocada no Tejo (capitaneada pelo pai de Louçã) e dos chaimites do regime, e mostrou o peito às forças acantonadas no quartel do Carmo. E, caso o dia tenha corrido mal, Otelo O Cérebro podia ter sido preso, e Salgueiro O Bravo podia ter sido morto.
Mas a imagem da lancha é interessante: imaginemos de um lado o general que arrasta, com um rodo, soldadinhos de chumbo sobre um mapa gigante, e do outro o sargento que lidera o grupo de assalto às trincheiras inimigas - do sucesso do primeiro dependem muitas vidas, do sucesso do segundo dependem menos destinos, mas um é o próprio. Se a medalha for por bravura, condecore-se o grumete.

* Determino que desejo ser sepultado em Castelo de Vide, em campa rasa, e utilizar o caixão mais barato do mercado, o transporte do mesmo deve fazer-se pelo meio mais económico, de preferência em viatura militar. Durante o funeral somente a presença dos amigos a quem peço para entoarem "Grândola Vila Morena" e "Marcha do M.F.A." (testamento de 28 de Junho de 1989)

Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de o Estado se organizar: há os estados socialistas, os estados ditos comunistas, os estados capitalistas e há o estado a que chegámos. Eu proponho acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e vamos acabar com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!
Discurso de Salgueiro Maia na parada da Escola Prática de Cavalaria, madrugada de 25/04/1974


 
 




 
 

segunda-feira, 21 de abril de 2014

SAÍDA LIMPA


'Do ponto de vista do Governo, a saída directamente para os mercados é limpa e a saída directamente para mercados com o apoio de uma linha de crédito é limpa também', disse hoje Portas.
Limpinho, limpinho, como transitório é duradouro, e duradouro é definitivo.
Eu acho que, com ou sem andarilho, saímos tão limpos como limpa-chaminés (farruscos), mas deve ser impressão minha.

domingo, 20 de abril de 2014

OS ÚLTIMOS FILHOS DO IMPÉRIO

'Há uma dimensão estrangeira em mim, muito improvável, porque tendo crescido apenas com memórias portuguesas e tendo em muitos dos momentos tido a sensação de que sou o mais convencional dos portugueses, era constantemente levado a perceber que havia uma dimensão estrangeira na minha identidade. Enquanto não voltei à terra onde nasci, eu senti-me adiado.'
 
Tendo sido 'Retornado', reconheço como minha a história contada hoje na revista do Público, Os últimos filhos do Império. Porém, como não tinha sequer 3 anos quando embarquei num Jumbo, a caminho de Lisboa, não tenho recordações pessoais dessa ruptura, se expurgadas as memórias próximas, ou quaisquer sentimentos de perda: tirando a vontade de regressar à terra natal, foram as palavras de Valter Hugo Mãe (mais novo que eu 10 dias) que mais sentido me fizeram - de certa forma, somos uns sem-terra.
 
 

sexta-feira, 18 de abril de 2014

GABO SE FUE

Gabriel Garcia Marquez 1927-2014
Prémio Nobel 1982

PORTUGAL ESTÁ CONDENADO A SENTAR-SE,
DE SAPATOS ROTOS E CASACO REMENDADO,
NA MESA DOS MAIS RICOS DO MUNDO.
 
LISBOA É A MAIOR ALDEIA DO MUNDO.
 
escritos de 1975

quinta-feira, 10 de abril de 2014

CICLI$MO

 
                                                1973. Regime em agonia, 1ª crise do petróleo, recessão
                                                1983. Pré-bancarrota, 2ª estada do FMI
                                                1993. Cavaquismo em refluxo, 1ª recessão já na CEE
                                                2003. País oficialmente de tanga
                                                2013. Portugal ligado à máquina, vigilância externa

O intervalo é pequeno para revelar os ciclos de Kondratiev (ondas longas de recessão e prosperidade económicas, de 50-60 anos) e não se vislumbra um ciclo intermédio de Kusnetz (15-25 anos), mas a repetição parece cumprir a duração decenal (8-11 anos) dos ciclos curtos de Juglar.
As teorias dos ciclos são empíricas, não comportam interrupções e choques externos, e a sua duração constante é infirmada pela história (para os mais cépticos, um ciclo económico é uma série única de acontecimentos, com uma explicação única). Mas que há ciclos, e que cada crescimento é seguido por uma retracção, é tão certo como a morte e os impostos. 
Eu sou como Jesus e não percebo de economia (alerta, overdose de clichés!), mas acho o nosso ritmo, com ups envergonhados e downs cavados, bastante arreliador.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

PRRRREC

'O que há de certo modo tranquilizador, no meio do ambiente de confusão que muitas vezes emerge, é que a dita confusão é mais aparente que real. A menos que se diga, pelo contrário, que a confusão é tão confusa que nem conseguimos identificar-lhe a verdadeira dimensão.', dizia-se no DN de 27.1.75.
 
Bom resumo da barafunda do Processo Revolucionário em Curso (PREC), nesse ano vertiginoso de 1975. O que hoje parece um filme divertido - só fumaça, que o povo é sereno -, foi na verdade uma encruzilhada perigosa.
As eleições para a assembleia constituinte, a 25/4, foram um duche gelado para as forças 'progressistas'. No início da campanha, o MES avisava que 'as eleições favorecem as forças reaccionárias' e defendia ser 'fundamental criar o poder operário popular', e o premonitório Sottomayor Cardia lembrava a revolução russa e a perenidade da sua assembleia constituinte (nessas eleições, os mencheviques e os socialistas revolucionários tiveram 62% dos votos, e os bolcheviques 25%), perante o avanço de Lenine & Cª (2/4). Dias depois, Vasco Gonçalves diz que 'Não podemos perder por via eleitoral aquilo que tem custado a ganhar ao povo português' (8/4), no que é seguido por Rosa Coutinho, 'a consulta a um povo pouco esclarecido não pode comprometer o processo revolucionário' (11/4).

No rescaldo das eleições (PS 37,9%, PPD 26,4%, PCP 12,5%, CDS 7,6%, MDP/CDE 4,1%, MES 1%, UDP 0,8%, LCI 0,2%), a amuada LCI afirma que 'As eleições não são via de reforço da luta dos trabalhadores e correspondem a um período de ilusões na classe operária sobre as possibilidades de passagem pacífica ao socialismo' e o MES, pela boca de Augusto Mateus (sim, esse), reclama que 'As eleições são inoportunas no actual contexto do avanço do processo revolucionário' (26/4)
Numa entrevista (gravada) a Oriana Fallaci, e depois negada, Cunhal é cristalino: 'As eleições para mim não têm qualquer importância, nenhuma mesmo (...) Se pensa que o PS com os seus 40% e o PPD com os seus 27% compõem a maioria, está a cometer um erro. Eles não têm a maioria (...) a Assembleia Constituinte certamente que não será um órgão legislativo e não será uma Câmara de deputados (...) Prometo-lhe que em Portugal não haverá qualquer parlamento' (27/6).
No estertor dos seus governos, Vasco Gonçalves reitera que 'não existe lugar para uma democracia burguesa em Portugal' (29/8).
Já em contramão, Rosa Coutinho explica 'Ser-se revolucionário de acordo com as maiorias é um contra-senso. Um revolucionário pode ter que estar durante muito tempo com as minorias esclarecidas' (5/10).      
 
No campeonato do esquerdismo, a UDP achava de si própria 'não é um partido de extrema-esquerda, é de esquerda e à nossa esquerda não há mais esquerdas. Para além de nós, só de direita' (28/2) - o MRPP chamava social-fascistas aos comunistas (moderados por razões tácticas, e refreados pelos soviéticos, que queriam manter a détente na europa), com a mesma ligeireza que Spínola, em 74, chamava forças contra-revolucionárias aos 'irresponsáveis esquerdistas'. O PPD participava em manifestações de apoio à nacionalização da Banca e dos seguros (18/3) e Mário Soares lembrava que a nacionalização da Banca estava no programa do PS, mas não do PCP (27/3).
O PPD aplaudiu as nacionalizações anunciadas em Abril, confiando que se traduzissem 'no início de uma autêntico socialismo e não no capitalismo de Estado' (16/4); Marcelo R. Sousa via no PPD um 'partido à procura de um lugar à esquerda', aquando da escolha dum substituto para Sá Carneiro,  e o novel líder, Emídio Guerreiro, pretendia  um 'partido francamente de esquerda' (25/5) - porém, como disse alguém, as bases dos partidos estavam mais à direita que os líderes, e os seus eleitores mais à direita ainda. No 1º congresso da JSD, cartazes de Marx e Engels compunham o cenário, e foi escolhido como hino a Internacional (1/6), e o PPM tinha a sua Juventude Monárquica Revolucionária.  
Embriagados (ou temerosos) pela alegria revolucionária, no congresso da CIP, os empresários advogaram a 'distribuição da riqueza' (10/7).    
 
E o povo, pá? O povo, ou parte dele, vivia em clima de pré-guerra civil: colocação de bombas à esquerda e à direita, barricadas em Lisboa e Rio Maior (um no passarán com mocas), destruição de sedes partidárias, invasão de herdades e de casas, cerco do parlamento, mortos (sim) e feridos, confrontos e petardos em comícios. A animosidade chegou ao ponto de, na Madeira, se escrever 'Vem à manifestação do PPD. O trânsito nas estradas é livre, se os comunistas te impedirem de passar, passa por cima deles' (2/8).
A igreja, que antes vedara aos católicos dar o voto a partidos incompatíveis com uma concepção cristã (12/4), fazia agora os seus comícios, recusando uma 'igreja algemada' e exigindo 'autoridades mandatadas pelo povo como seus representantes e não como tutores' (10/8). 
 
A ponderação era privilégio de poucos, como Melo Antunes, falasse ele de pão ('não vai haver milagres porque ninguém dispõe de fórmulas mágicas para resolver o problema da economia portuguesa', 21.2), ou falasse de política, esperando que 'existam reservas de lucidez para destrinçar entre o possível e o quimérico, entre a utopia demagógica, paralisadora e, consequentemente, funesta e o senso do real, o suicídio a que o aventureirismo conduz e o enfrentamento honesto, ainda que impopular, das circunstâncias. O país está emocionalmente exausto' (DN, 8/3).
Para a vitória dos moderados, houve 2 personagens fulcrais, fiéis da balança: o Presidente Costa Gomes (sub-secretário de Estado de Salazar e CEMGFA de Caetano, by the way), cerebral, equilibrista entre campos antagónicas (embora suspeito de simpatia pelo PCP), avesso a decisões, tímido apoiante dos mais fortes, a cada momento; Otelo, um radical errático, fã de Fidel, defensor das colunas populares, ora autorizando a participação de militares numa manifestação onde se defendeu a dissolução do governo e da assembleia e a instalação duma ditadura do proletariado (17/7), ora contra o governo de Vasco Gonçalves, ora apoiante da distribuição de armas ao povo, ora contra o documento dos 9, ora negociando com os seus autores, ora faltando ao 25/11, o derradeiro combate da sua esquerda popular. Como diria Eanes, sendo um homem da extrema-esquerda, Otelo nunca assumiu coerentemente o que seria a estratégia dessa área, a que se somava a sua incoerência ideológica.
 
Quanto às colónias, além do patrocínio de uma das partes em conflito, considerava-se que tudo devia ser feito para facilitar a integração de Timor na Indonésia (terá dito o companheiro Vasco), pretendia-se uma descolonização rápida, e os retornados eram corpos estranhos nas suas* terras e na metrópole - 'Se eles comeram a carne, agora que roam os ossos', terá dito o PM Pinheiro de Azevedo, enquanto eles se manifestavam com cartazes onde se lia 'Trabalhar não foi crime nem roubo'.
Anos depois, o lúcido Melo Antunes reconheceu que 'o processo da descolonização foi das coisas mais difíceis, mais dramáticas e mais trágicas que aconteceram em Portugal',  mas também já havia dito antes que 'não há descolonizações bem feitas', porque 'não houve, ou não há, boas colonizações'.

notas sortidas de 1975 O Ano do Furacão Revolucionário, João Céu e Silva

* Rentes de Carvalho (em Portugal A Flor e a Foice), conta que, em Abril de 1974, um apaziguador Agostinho Neto declarava em Londres 'Evidentemente que quando digo o nosso povo são todos os que nasceram em Angola e se consideram angolanos. Os pretos, que tradicionalmente são considerados africanos e os brancos que estão há cinco séculos no nosso continente e no nosso país.'

1914-2014

 
A HISTÓRIA NÃO SE REPETE, MAS RIMA.
Mark Twain

A Rússia imperial abocanha um bocado da Ucrânia, e quer estraçalhar o resto, perante uma indignação ocidental à Chamberlain.
Irlanda, Portugal, Grécia e Chipre têm tutores.
A Bélgica vive uma desirmandade latente.
A Catalunha e a Escócia querem a independência.
A Alemanha über alles manda na europa.
Contra a imigração, a barricada.
A extrema-direita está pujante em vários países e é vista sem temor pelos eleitores da direita e da esquerda.
As hostes euro-cépticas crescem a olhos vistos.

terça-feira, 8 de abril de 2014

REWIND

Newsies at Skeeter Branch, St. Louis. Lewis Hine, 1910

20-vinte-20 anos. Há quanto tempo não se viam.
E tinham sido tão amigos, daqueles inseparáveis, siameses. Durante anos seguidos, milhares de tardes e de noites. A história de um era a história do outro, as brincadeiras, as bebedeiras, os matrecos, as noitadas, os desamores.
Chegou o dia em que a geografia os apartou. Foram-se encontrando, a intervalos crescentes - mas era como se tivessem estado juntos na véspera -, até que nunca mais se viram. Houve ainda uns telefonemas no Natal, uma chamada para celebrar a paternidade de fresco, outra por um motivo esquecido, e pronto.
Até que, um dia, veio uma chamada: 'Vou aí no Sábado, jantamos?'
O entusiamo infantil foi atravessado pela dúvida: Como pôr em dia 20 anos? Como encher 2 horas, depois de mostrar a família no telemóvel, resumir o currículo e falar do divórcio duns amigos em comum? Tanta quilometragem no contador, já não eram os catraios de outrora, seriam estranhos ou, pelo menos, alheios um ao outro?
O abraço foi apertado, tanto quanto permitiam as suas barrigas, cadastros do tempo.
- Então, pá? Como é que estás?
- Tirando o fútil, tornei-me no pesadelo do Álvaro de Campos: casado, quotidiano e tributável*. E tu?
- Nã. Quero saber tudo, tim-tim por tim-tim. Comecemos por 1995.
Nesse dia, voltaram atrás no tempo, e a história de um voltou a ser a história do outro.
Também partilharam a ressaca, pois os fígados já não eram os mesmos.

* Lisbon Revisited, 1923