...e depois, com bigodes de leite, pedem mais paciência e esforço ao povo, que a "vaca 'tá seca".

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

XENOFOBIA

A HOLANDA era conhecida pela tolerância e por acomodar uma grande comunidade africana e asiática (princ. Indonésia). Há uns anos, mataram um cineasta por “crime de expressão” e tem germinado algum nacionalismo.
Mas agora, passaram os limites. O governo tem um projecto para que as coffee shops sejam apenas frequentadas por holandeses, sendo a marijuana vendida através de cartões entregues a residentes (paradoxo, os joints não podem conter tabaco, é proibido fumá-lo em espaços comerciais desde 07/2008…). É próprio dum país baixo.
Proponho retaliações: quem pretender visitar Amsterdão, opte por Kingston, que tem um óptimo mercado de rua; proíba-se a venda a turistas holandeses de coisas que não têm ou têm pior, como café, vinho, pastéis de Belém e Jaquinzinhos fritos. Eles vão ver!!!


drogas a não utilizar, se conduzir
video

terça-feira, 29 de setembro de 2009

APADRINHA UM DEPUTADO


O Zoo de Lisboa tem um programa de apadrinhamento de animais por pessoas ou empresas, e tem sido um sucesso.
Ao fim de 3 eleições, os partidos estão descapitalizados, pelo que a AR podia apostar num projecto semelhante, o apadrinhamento de cada deputado. Cá vão algumas ideias:
O partido do Governo será, por razões óbvias, mais apetecível para apadrinhar, a bancada do PS podia ser apoiada pelo 13º Cartório de Lisboa e Tipografia Independente (Sócrates), Mota-Engil (Teixeira dos Santos), Tamiflu (Ana Jorge), Laca Élseve (Mª de Belém), Prosegur-Equipamentos de vigilância (S. Pereira), Diário de Notícias (Santos Silva) e Chicco (Rosário Carneiro, a fértil).
No PSD, é elegível a Zona Franca da Madeira (António Preto), Tricotadeiras Singer e Casa do Artista (Ferreira Leite), Tacos Callaway (Deus Pinheiro).
O BE pode criar um cluster, com a tabaqueira (Rosas) e a proletária Smoking (Louçã), a CDU ficaria com o Licor Beirão (Jerónimo) e carros Trabant (Bernardino) e o CDS seria patrocinado pela Jaguar e Cortiça Vargem Fresca (Portas), Smith & Weston (Magalhães) e óstias Cristo-Rei (Assunção Cristas).
Amigo(a), as hipóteses são infinitas. Participa.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A CONTA, POR FAVOR!


Eu acertei no resultado do PS, BE e CDU. Dei menos ao CDS apenas por modéstia e nunca esperei que a Manuela apenas tivesse mais 6000 votos que Santana - ironia divina, quem tanto desprezou. O Leal acertou em cheio nos 3 "piquenos" (% e ordem), o Pedro II e a Fátima acertaram no PSD, a Susana e o Simão na CDU.
O único vencedor perdeu a maioria absoluta e 20% dos seus eleitores (1/2 milhão), o pior resultado em 18 anos, os vencidos cresceram todos.
Quem subiu mais, viu outro chegar ao nº cabalistico de 116 deputados com o PS. BE e CDS praticamente dividiram entre si a quota perdida pelo PS.
O CDS, o mais eficaz nos debates, na campanha (sem subvenção do BES... teve uma propaganda caseira, embora caseira parecesse a do PSD) e no custo-benefício (de acordo com os orçamentos de campanha, cada voto custou 1.44€ ao CDS, contra 1.78 ao BE, 2.03€ ao PSD, 2.68€ ao PS e 4.37 à CDU), teve a maior subida de deputados (e de votos em 26 anos), obteve o resultado mais efémero - os votos migrarão à chegada de qualquer candidato laranja aceitável.
A política voltou à Assembleia.

domingo, 27 de setembro de 2009

enquanto houver ventos e mar, a gente não vai parar.

CONCELHO DO CARTAXO

PS
38,47%
4.814 votos

PSD
20,78%
2.600 votos

BLOCO DE ESQUERDA13,46%
1.684 votos

CDU
10,15%
1.270 votos

CDS/PP9,67%
1.210 votos

PCTP/MRPP1,48%
185 votos
 
Pedro Mendonça

POSFÁCIO


Deve ser tenebroso o líder dum partido ter que dar os parabéns, em directo, ao adversário vencedor, estando convicto que os eleitores não escolheram o melhor caminho para o país. Afinal, embora seja uma competição eleitoral, isto não é um jogo inconsequente.
Eu não acho que mais uns anos com o “diz que é uma espécie de” engenheiro sejam proveitosos para Portugal. O povo ‘tava madurinho, madurinho para mudar, mas o problema é que, se Sócrates não merecia vencer, a Manuela não fez por convencer.
Prefiro dar os parabéns à máquina socialista, o ataque foi a melhor defesa, e o saneamento na TVI (há apenas 3 semanas), ou o castigo a 2 juízes por conselheiros eleitos pelo PS - do mais grave que pode haver num estado de direito com justiça independente - foram esfumados da memória do eleitor.

LIGA DE HONRA

Alguns cidadãos estariam mais eufóricos com o crescimento do seu partido, não fosse a ultrapassagem pela direita. Para os românticos, deixo 13 slogans do Maio/68, cantados por utópicos, lúcidos ou por quem não se levava demasiado a sério (entretanto, cresceram todos):
* Proibido proibir.
* Sejam realistas, exijam o impossível.
* A Imaginação ao Poder.
* Ele demorou 3 semanas para anunciar em 5 minutos que faria dentro dum mês o que não fez
   durante 10 anos.
* Se as eleições pudessem mudar alguma coisa, há muito teriam sido proibidas.
* Tomemos a revolução a sério, mas não nos levemos a sério.
* Sou marxista, tendência Grouxo.
* Abaixo o realismo socialista, viva o surrealismo.
* O despertador toca a 1ª humilhação do dia.
* Tenho algo a dizer, mas não sei o quê.
* O álcool mata, tomem LSD.
* Parem o mundo, quero descer.
* Não quero perder a minha vida a ganhá-la.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

DIREITO DE RESPOSTA


Pedro, 'tavas a guardá-las...
É claro como água, se houve corrupção com o CDS, sejam julgados e prisão sem passar na casa da partida! Quanto aos submarinos, acho tão necessário gastar 800M€ quanto o meu generoso amigo, quando há tanta coisa na fila.
Não 'tás à espera que defenda coisas erradas por ser na minha banda. Não tenho timoneiros e, se eu algum dia for qualquer coisa -ISTA, avisa-me p.f.
Não sendo desculpa, alguns entendidos ousam achar que o Portas foi o nosso melhor ministro da defesa, e parece-me que a "governante" da ÚNICA câmara do Bloco (Ana Cristina Oliveira, Salvaterra de magos) é ARGUIDA num processo, ref. às suas funções.
Há gente do CDS encharcada de defeitos mas, até aparecer melhor, não fico indeciso, e acho humildemente (vénia) o caminho por onde quero ir muito mais consistente que o teu*.
Deste-me música, dou à troca um espectáculo bem-disposto, dum entertainer que vem agora a Portugal. Siga a Banda!

* O Belmiro diz umas graças, acha o Louçã um misto de Cunhal e do Bispo Macedo (iurd). Já o Louçã disse na RTP que uma das maiores alegrias da sua vida foi quando lhe disseram que ia entrar num antro de comunistas...

Para o Grande Luis Duarte

Quem nos conhece sabe o prazer que temos numa boa discussão política e ou social. Somos Democratas e um pouco sarcásticos.
Para a ala direita e conservadora deste blogue, um presente da ala socialista e progressista.
:-)





Pedro Mendonça

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Biliões de pessoas não podem escolher...

la Boqueria, Barcelona

Caros 5 e 1/3 leitores:
A 27, todos às urnas. Há opções para todos os gostos, o nº varia por círculo eleitoral: 15 partidos nos distritos mais afortunados até 11 nos Açores e Vila Real (falha o PTP, PND, PNR e POUS).

Há partidos antigos (PCP, a cantar desde 1921!), mas para quem gosta de experimentar coisas novas, há fartura: o MEP e o MMS, o PPV (p. pró vida) e o PTP (p. trabalhista português), além da fusão entre o partido da terra e humanistas, na frente ecologia e humanismo. Há quem tenha feito boa oposição, quem aposte na sociedade civil, quem queira mais estado, há mérito, há ecologia, há renovação, há esperança, há comunismo, há humanismo, há vida, há socialismo, há esquerda. Há partidos, movimentos, blocos, frentes, coligações. Algum é um tiquitinho menos mau, mesmo que não eleja ninguém. Vá lá, escolhe um.
Quem não é médico ou juiz maltratado, professor com memória, reformado que passou a pagar IRS, funcionário público que perdeu poder de compra, um dos novos 100000 desempregados ou não pagou muito mais impostos (Sócrates prometeu mais 150000 empregos e não subir impostos em 2005…), quem ignora que Portugal está mais pobre (dívida pública cresceu 30%, dívida externa duplicou) ou esqueceu a punição do Charrua por gozar com o PM, a pressão sobre jornais, TVI e magistrados do Freeport, a falsificação das habilitações do Sócrates na AR, quem acredita que o Senhor amansou e a prepotência não volta prá semana (como o homem que bate 1 vez na mulher e diz que não repete) – tem mais uma alternativa, deve premiar o governo. Ainda assim, vota.

Querido Pai Natal: este ano portei-me bem e queria pedir 4 prendas na próxima legislatura - mais justiça, educação, exportações e (para mim) um T4.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O JOGO

Desafio aos leitores e bloguers da Revista Dada:

Vamos apostar nos resultados das eleições?
Proponho que escrevamos na caixa de comentários deste post até às 23h59 de sexta-feira as nossas apostas quer percentualmente, quer em número de deputados (para os mais fanáticos das previsões).
Regras: conta a última aposta, ou seja, podemos mudar a nossa aposta até essa data. Todos podem participar e o prémio é a satisfação de ter sido quem mais próximo esteve do resultado final. Não é necessário apostar na abstenção, brancos ou nulos porque não contam para a distribuição final dos resultados.

Começo eu (mas de certeza que mudarei):

PS
35,0 %
98 Deputados
PSD
32,5%
83 Deputados
BE
10,5%
18 Deputados
PCP
9,0%
16 Deputados
CDS
8,0%
15 Deputados
Outros
5%
0 Deputados

Pedro Mendonça

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Política VIII - MITOS URBANOS


1. A Direita é intolerante e radical. Liberais e conservadores nada têm de extremo, e Khol e Churchill são referências nada radicais ou de intolerância; historicamente há várias direitas, umas mais retrógradas que outras, cujas ideias eu e muito boa gente não partilhamos. Mais, o liberalismo e a Democracia-cristã nunca desembocaram em ditadura, ao contrário do(s) comunismo(s). Vejamos o shaker BE: o maoísmo, o trotskismo e o comunismo são tudo coisas moderadas…
2. A Esquerda é multicultural e igualitária. Posso estar errado, mas só me lembro de deputados de origem hindu, africana e timorense no CDS e PSD (Narana, Amaral e Carrascalão), a Zézinha e a Manuela foram as únicas mulheres líderes parlamentares e candidatas a presidente dum partido (tirando a Carmelinda).
3. A Direita é preconceituosa. A Esquerda não só parece que tem o monopólio da igualdade e das preocupações sociais, como tem soberba moral; o Dr. Louçã, com o seu tom melífluo e moralista, parece ser o detentor da verdade. Não, todos os partidos procuram o bem geral, o caminho é que difere – haja espaço à sociedade civil, haja mercado livre, não em roda livre: o Estado deve ser pequeno, não curto; não há ricos a mais, há pobres a mais; o dinheiro não tem peçonha. E não tem a Esquerda os seus dogmas, os privados, a burguesia e o capital?
4. A Esquerda é (a vanguarda) progressista. O progresso na Europa não se conseguiu com a estatização da economia, deve-se aos partidos “burgueses”; o PCP votou contra todas as revisões da Constituição, porque ela ‘tava boa em 75, o programa BE combate a regressão da constituição; o PCP e o Bloco querem de novo a estatização dos sectores estratégicos (quando a UE quer acabar até com as golden-shares), o BE advoga um banco de terras gerido pelo estado (com terras públicas e privadas) e segurança pública de base comunitária (?), i.e., voltar 34 anos para trás. Era giro deixa-los governar uns 2 anos, não fosse isto deixar de ter conserto.
5. A Direita é neoliberal. Há um modelo social europeu com reformas, saúde e educação, criado a 2 mãos (conservadores e sociais-democratas) que ninguém põe em causa, e que nem PSD, nem CDS querem desmantelar. Todos aceitam a universalidade dos SNS e nenhum europeu, à esquerda ou à direita, compreende que alguém vá à falência porque adoeceu, como acontece nos EUA, onde se gasta 16% do PIB em saúde (o dobro dos países desenvolvidos, mas com piores resultados), os seguros de saúde subiram, em 10 anos, 3x mais que salários, e onde 45 milhões de pessoas não têm seguro de saúde nem são elegíveis nos sistemas Medicare e Madicaid.
Já agora, o liberalismo é de esquerda, histórica, doutrinal e politicamente. Tenham tento nos rótulos, neoliberal é o Bloco.
6. A Esquerda é anti-burguesa. O BE restaurou para sede um palacete na Rua da Palma, com tectos estucados, escadas de madeira e janelas de sacada, o Garcia Pereira (que se faz pagar muito bem para patrocinar trabalhadores… e o Governo da Madeira) tem um belo veleiro, e o latifundiário PCP tem uma quinta só para festas.
7. Portugal está ao centro. Não, o País está descaído para a esquerda, para o que também contribui a N. falta de empreendorismo. A esquerda é largamente maioritária, o partido alternante à direita chama-se social-democrata, o partido de direita é chamado de Centro e está no extremo da Assembleia - o que não é mau, porque o espaço à direita do CDS já me parece mal frequentado. Ao contrário, os socialistas governam ao centro e até têm menos pruridos em dar o braço aos “patrões”. Se o Durão tivesse feito metade que o Sócrates fez, seria chamado de fascista pela certa.
8. Há outra ainda com graça: a esquerda é popular, a direita populista.
Salvo melhor opinião, claro.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

VENDE-SE FUTURO


Chegam as eleições e somos enxameados com milhares de cartazes. Dos bem esgalhados, geralmente do BE (herdeiro das cómicas ovelhinhas do PSR e do “só mudam as moscas” da UDP), aos piores como o exemplar acima, que um jornalista do La Guardia diz poder ser confundido por turistas com associações de apoio à 3ª idade ou de prevenção de suicídios.
É a altura para cada partido vender o seu produto, arranjando máximas para nos convencerem. Era suposto serem específicas da marca, mas não. Experimentemos trocar os slogans:
PS – Justiça na Economia
PSD – Sim, é possível uma vida melhor
CDU – Política de verdade
BE – Há cada vez mais gente a pensar como nós
CDS – Avançar Portugal
P.S.: Tenham cuidado com o PTP, pois EXIGEM o fim imediato da corrupção e compadrio. Á valentes.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

REBRANDING


Dito por profissionais: "A mudança visual das marcas está, normalmente, associada a mudanças estratégicas das organizações, quer estas passem pela alteração da administração, a fusão das empresas ou porque simplesmente a imagem da marca está desgastada junto do público. O rebranding vem, na maioria das vezes, contribuir para a alteração da percepção que o público tem da marca. Para Hélder Pombinho o motivo que leva uma empresa a reposicionar-se no mercado é muito simples: “A alteração da imagem da marca acontece quando a empresa não está a ir ao encontro das expectativas que as pessoas têm dela”."

Deixem-me falar sobra a Dona Joaquina: A Dona Joaquina é uma industrial de chouriços e presuntos de Barcelos, 50s, educada, cabelo platinado, grandes aneis de ouro. Chorava baba e ranho quando ameaçavam fechar-lhe o tasco por falta de asseio (talvez por causa do bem-estar dos "seus" ratos). Como também não tinha jeito para os negócios, ou por não gostar de pagar aos credores, foi refundando a empresa, qual fénix: Montebranco, Montebranco 2 (ganda lata!) e, finalmente, Cold. Parece que agora anda por S. Tomé.

Mesa em vez de comité, convenção em vez de congresso, coordenador em vez de secretário-geral, bloco em vez de partido, LCI>PSR>BE. Vêm, remotamente, um paralelo? Seus perversos.
Prometo só voltar ao tema para felicitar algum socialista não formatado que seja eleito no Cartaxo (isto é uma forma de pedir desculpa por esta bala perdida, as tréguas mantêm-se - mas não resisti a meter-me contigo).

Jefferson, esse comuna

O tema da Campanha tem sido o programa do Bloco de Esquerda.
 
Ainda bem que o é, pois é democrático e adulto que se discutam os programas, é neles que se vê as linhas de fundo da acção política. Não falo de pequenos fait-divers, falo das políticas gerais que se pretendem para o país.
 
Sobre a história deste movimento/partido, e respondendo ao de leve (para não quebrar o cessar-fogo declarado unilateralmente pelo Duarte), já muito se escreveu, mas embora criado por elementos do PSR, da UDP e da Política XXI, ao bloco juntaram-se socialistas e social-democratas inspirados em países tão maus e pobres como Suécia ou Noruega, além de gente de esquerda sem ideologia formatada e pronta-a-vestir.
 
De uma vez por todas, o Bloco de Esquerda não acredita na utopia comunista, nem na utopia capitalista. O Bloco não apoia, nem aceita o regime Chinês, Norte-Coreano ou Cubano.
 
O Bloco é um partido democrático parlamentar e europeísta que abomina qualquer ditadura e não tem farois internacionais para se guiar. Queremos ajudar a criar uma alternativa ao Capitalismo, mas uma alternativa que se vá construindo gradualmente. Como exemplo, propomos a Nacionalização da GALP e da EDP e de mais nada, e estas empresas apenas pelas razões já explicadas diariamente pelo Francisco Louçã. Acaso estamos contentes com o Estado a que isto chegou? Senão estamos, porque é que nos conformamos? Porque não procuramos algo melhor? O Bloco procura e sabe que infelizmente a solução não nem o capitalismo, nem o comunismo.
 
Tudo o resto é a agitação natural dos meios conservadores face ao crescimento do progressismo.
 
Pedro Mendonça

terça-feira, 15 de setembro de 2009

BE E O RETRATO DE DORIAN GRAY




O vencedor do dia 27 merece uma atenção especial. O BE está de parabéns pela “pressão alta” contra os impostos da Banca abaixo da média (e lucros quase obscenos), a osmose entre poderes económico e político, paraísos fiscais, as “negociatas” entre o Estado e os seus conhecidos, aquisições sem concurso público, contratos cujas cláusulas são escolhidas pelos privados, orçamentos ultrapassados em 120%, o cartel da gasolina. Critica o BE, eu e, aliás, muitos que rematam com “faltava era outro Salazar”. São defeitos do Poder de qualquer partido, e a moralização da vida pública não é patente da Esquerda, é uma questão de pudor e honestidade.
Em suma, o BE é bom no protesto. E espero que o BE suba, q.b. para morder as canelas do PS (venham também o Garcia Pereira, o Monteiro e o Rui Marques, fazem mais falta que o 89º deputado da maioria - viva a biodiversidade no Parlamento).
O problema é a cartilha ideológica ou, como diz Soares, o extremismo irrealista. O discurso é bonito, mas panfletário, e não se governa à esquerda da Esquerda: Fernando Henrique Cardoso (quando eleito, pediu “esqueçam tudo o que eu escrevi”), os Verdes alemães e os pós-comunistas italianos são disso exemplo, quando lá chegaram. Pelo contrário, nenhum país, dos que atingiram algum conforto social, chegou lá pela extrema-esquerda. Quem quiser replicar, apresente
UM caso de sucesso da extrema-esquerda no poder. Louçã nem às paredes confessa qual o seu país ou governante mundial de referência (já agora, o 25 de Novembro foi um retrocesso ? a ETA tem algum mas?).

E a frescura do discurso, a modernidade... Vejamos: o Louçã é dirigente partidário desde 7/74, na Liga Comunista Internacionalista (parte da Frente de Unidade Revolucionária, com o MES, a LUAR e o Partido Revolucionário Português, em 8/75, activa na defesa do Gonçalvismo contra o grupo dos 9 – estavam no lado errado da história), fundando o trotskista Partido Socialista Revolucionário* em 78 (LCI+PRP).
Temos ainda a marxista-leninista-maoísta UDP (fusão de 3 grupos m-l), nascida em 12/74, que defendia a Ditadura popular**, o visionário Otelo a presidente, a China, o Vietname e, sol na terra, a Albânia. Ao PSR e UDP juntaram-se os neo-comunistas da Política XXI, que só se desiludiram do PCP (n. 1921) quando o bloco de leste implodiu.
O BE é o final de fusões, rebrandings e liftings na extrema esquerda, não digam que é um projecto novo e virginal, pois o passado está vivo e à mostra no programa - os Senhores insistem na estatização da economia, como em 75, um nó que demorou 10 anos a desatar.
Quanto ao país de Mao, estamos conversados relativamente a direitos humanos e de trabalho, quanto a Trotsky, enquanto não foi saneado numa luta intestina pelo poder, bem participou nas purgas com Lenine e Estaline – há literatura sobre o assunto.
Mas o embrulho é giro, o BE usou um
MARKETING BRILHANTE como OFFSHORE PARA BRANQUEAMENTO DE IDEAIS – é isso, umas doutrinas cristalizadas com uma dose de lixívia e cobertas com temas fracturantes. E a folha limpa de quem nunca governou, num país que podia estar muito melhor, reconheça-se.
Posto isto, desejo fazer um pacto de não agressão com o reviralho deste blogue. A contar de… AGORA.

* O PSR é a secção portuguesa da IV Internacional. O seu objectivo é a revolução socialista que destrua o sistema capitalista e a exploração do Homem pelo Homem, criando as bases para o desenvolvimento de uma sociedade socialista, iniciando a destruição do Estado pela instauração da mais ampla democracia social e pela associação livre dos produtores. A adesão a IV Internacional baseia-se no acordo com os seus princípios programáticos: os documentos fundacionais dos Congressos da Internacional Comunista, da oposição anti-estalinista e da fundação e dos Congressos Mundiais da IV Internacional, nomeadamente a resolução "Democracia Socialista e Ditadura do Proletariado”. (estatutos do PSR)

** “Contra as perseguições à imprensa popular! Supressão da imprensa fascista!”, “Não consentiremos que os fascistas votem nas eleições.” (liberdade para os que concordam connosco, depreenda-se).
“Não há via para o socialismo que não seja pela destruição violenta do estado burguês e pela instauração da ditadura do proletariado sobre a burguesia. Nesta via, a única possível e a única verdadeiramente revolucionária, não há nenhuma força política ou exército que consiga substituir a classe operária que, dirigida pelo seu Partido e apoiada pelos seus aliados principais, os camponeses pobres, saberá criar o seu próprio exército revolucionário que concretizará o triunfo da revolução.” (propaganda UDP)

domingo, 13 de setembro de 2009

Política IV - Duelos ao fim da tarde



BE-PC: Entrevistas paralelas, não-debate elucida quanto às suas diferenças. Lá descubri uma: o PC quer nacionalizar a banca e seguros, BE quer nacionalizar água e energia. Registo que a resposta do Louça à ideia do Jerónimo, “o que são precisas são regras e regulação séria”, podia-se aplicar à sua proposta. Reparo ainda que os termos usados, como a roubalheira e tráfico de influências, tem paralelo com o PND, como o “olho na ladroagem”.
PC-PS: zzzzz.
PSD-BE: Manuela quer saúde privada complementar. Louçã explica que as privatizações do PREC ocorreram porque os Melos e quejandos fugiram para o Brazil. O homem tem uma veia cómica, amnésia ou revisionismo?
CDS-PC: Ambos preocupados com a agricultura, verdadeiro caso de soberania nacional. Exemplo entre muitos: em 20 anos passámos de auto-suficientes em hortícolas, para 25% - que país é este que não produz sequer para comer?
PS-BE: A rezar por duplo KO. Sócrates acusa Louçã de ataque à classe média, com eliminação de deduções. Pela primeira vez, Louçã é obrigado a defender-se e às suas ideias, e aí está o seu problema: basta passar a unha para a tinta estalar e ver a sucata ideológica e para onde gostava de nos levar. E Louça desmente evolução no seu pensamento desde o PREC: “eu sou coerente, sempre tive a mesma ideia da política pública”. Eu sei, saberão os mai’novos (a ideia é apelativa e já nasceram depois da ruína dos sistemas colectivistas) e muitos PS que vão votar no Bloco.
PC-PSD: Jerónimo acusa PSD de estar “prisioneiro de princípios ideológicos” (outro engraçado) e Manuela diz terem passado as lutas de classes. Asfixia democrática: para quem já esqueceu, recordaram o caso DREN, o que me lembrou os polícias a questionarem sindicatos e a identificar manifestantes.
PSD-CDS: Portas, mais ágil e eficaz; faz favor a Manuela, com rendimento social de inserção (RSI), empurrando-a para o centro - a proposta de pagar em géneros é bizarra.
CDS-BE: Louçã ataca Portas com o RSI (mas a fraude indigna muita gente, talvez dê votos). Portas critica propostas do BE, como a taxação de telemóveis de serviço, nacionalizações (quem paga, o que nacionaliza,…) e patentes de investigação – o BE está claramente à esquerda da esquerda do PS, e do eleitorado que quer conquistar.
* No mesmo dia, Zézinha acusa BE de fazer um diagnóstico real do país, mas projectar um país imaginário, Fazenda confessa que “a política do BE não é pragmática, e por isso é que cresce”. Transparente. Mas o que o povo quer é que lhe melhorem a vida, Sr. Luís.
PS-PSD: Manuela metralhada, ainda oferece rebuçado: fui eu que pus portagens na CREL. Sócrates oscila entre a humildade (governo novo tem ministros novos) e a insistência (lutei contra interesses corporativos). Manuela lembra promessa PS de não aumentar impostos e que reformas daqui a 10 anos serão metade do vencimento bruto, e desmente pela enésima vez que queira desmantelar o Estado social, usando a frase preferida “nunca ninguém me ouviu dizer…” (o problema é esse).
Conclusão: Sócrates passou pelos 4 debates pouco chamuscado, ao contrário do que a sua governação faria prever. Manuela alternativa mesmo fraquinha. Louçã obrigado a mostrar o jogo.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

mudança

Caro Yang,

Antes demais obrigado pela música, é linda e espero que as ensines aos meninos.

Afirmas: Caso o Estado priorize a poupança, também deve usar deduções para favorecê-las.
Afirmo: Não se apoia a poupança, apoia-se o negócio na saúde e na segurança social.

Acredito na revolução pelo voto, gradual mas com mudanças profundas na forma como organizamos a nossa vida colectiva, sem comunismos nem amanhãs que cantam e sem este mercado utópico de santos e capitalistas, mas sim com efectiva vontade de mudar a forma como vivemos.

clica para ouvires uma música também no registo da tua. De Liberdade.

Pedro Mendonça

FACTURAS E FRACTURAS



Caro Yin:
Tudo bem que areia no fisco facilita a vida aos chico-espertos. Porém, o Estado deve ver o fisco como o principal instrumento para um projecto de País.
Caso o Estado priorize a poupança, também deve usar deduções para favorecê-las. Caso o Estado ache a demografia o maior problema a longo prazo, deve ajudar a renovação geracional. Ora, TER FILHOS É UMA DESPESA (coisa que o Portas não pode discutir, porque nunca foi pai), muito à custa da saúde e educação. Se o Estado diminuir encargos, embaratece as crias (longe vai o tempo em que os filhos eram mão-de-obra) e talvez as pessoas tenham menos receio em "multiplicar-se".
Quanto à gratuitidade da saúde e educação, é ingénuo pensar que chegamos lá, sem revoluções (destruição do Estado e Ditadura Proletária, dizem os estatutos do partido de Louçã) e "amanhãs que cantam" mas nunca chegam - eu digo Graças a Deus, e tu amigo?
Portanto, a V. proposta é impopular: o que perdes num lado, não ganhas no outro. Diria o Guterres, é fazer as contas.
Mando uma música romântica.
Yang
P.S.: enquanto sócrates é a fada dos dentinhos (põe 40 contos na almofada, daqui a 18 anos), o novo PM japonês prometeu 190€ mensais por criança, até aos 14 anos. Luxo.


Elogio do Egoísmo?


O fim gradual dos benefícios fiscais propostos pelo Bloco de Esquerda, pode ser impopular mas não deixa de ser justo.

Há que quebrar o círculo vicioso que incentiva fiscalmente a fuga dos serviços públicos e não permite a sua expansão na saúde ou educação onde reina a lógica do mercado, onde o a escolha por exemplo dos dentistas ou manuais escolares se faz pela carteira.

Eu troco os benefícios fiscais a despesas privadas por manuais escolares e por dentistas gratuitos no SNS.

Quem ganha o salário médio (cerca de € 700) percebe a proposta e quem mais ganha tem de escolher entre o elogio do Egoísmo ou uma Sociedade mais Justa e Solidária.

Pedro Mendonça

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Política III - O CENTRÃO

objectivo: licenciatura e mestrado em 2 domingos


Não gosto do CENTRÃO – acho que foi Aquilino que disse algo semelhante comhá para aí dois partidos que são tão iguais, tão iguais, que se podiam fundir, não tivessem que se revezar, porque o orçamento não chega para todos ao mesmo tempo”, o que mantém alguma actualidade.
O PS e o PSD são o Dupont e Dupond ou, melhor, o Tico e o Teco: agora acuso eu o Estado ao serviço do partido, a inviabilização de comissões de inquérito, a propaganda; a seguir criticas tu… Mas não são exactamente iguais, para começar, o Tico tirou o curso, o Teco não. Depois, o PS tem a cumplicidade do PSD na contenção do défice e na legislação do trabalho, cortesia que não retribui quando está na oposição.
SÓCRATES tem muitos créditos: energias renováveis, contenção do défice, desburocratização e simplex (empresa na hora, cartão do cidadão), aumento da base tributária (iniciada com a Senhora e o grande Paulo Macedo, lembram-se?), debates quinzenais na AR, informatização de escolas, alargamento do horário escolar e inglês (técnico?), diário da república electrónico (era pago e bem falta me faz), cheque-dentista, pequenas grandes vitórias na defesa do consumidor (telecomunicações, banca, seguros); e uns temas fracturantes, para calar a camarata (peanuts). Contra ele, a arrogância, o aumento dos impostos TODOS, as taxas moderadoras nas cirurgias e internamentos (para moderar o quê?), aumento das taxas da justiça (para moderar as TMN, impedindo a maralha), a diabolização e hostilização de sectores profissionais, uma machadada nas reformas (demograficamente necessária), a quase duplicação da Dívida pública, a colocação do Estado ao serviço do PS, a quebra das promessas - dignificação e auto-estima dos prof., fim de portagens, refendo ao tratado europeu, 150.000 empregos, revisão do código do trabalho, + vida além do défice. E respondam, houve algum PM com passado mais nebuloso?
A alternativa é fantástica, a Senhora da Verdade e Credibilidade pratica harakiri: Não é OPORTUNO impedir candidatos pronunciados de crime, como o António Preto, nem taxar indemnizações de administradores? Saneiam-se opositores internos, para não por a raposa na capoeira? A Madeira é um MODELO e não tem asfixia democrática, porque o povo escolheu (qualquer candidato PSD devia fugir à Madeira durante a campanha)? Promete RASGAR as políticas do PS e desmente na semana seguinte, dizendo que concorda com todas as políticas que o PS promete, o problema é que não as cumpre? Meus amigos, séria não é carrancuda. Acho até que a magreza do programa eleitoral não é contenção de promessas, é falta de ideias.
Fraca escolha. Mas enfim (shuif), tou a torcer para que a Senhora (Vecchia Signora, à Juventus, fica bem) ganhe no dia 27. Claro que a 28 acordamos angustiados com os novos gémeos Kaczynski (PR e PM da Polónia) no poder, em Outubro voltam os mesmos do costume, e lá para Janeiro está tudo a barafustar com ela – ninguém vai ao engano, já conhecemos os seus brilhantes consulados na Educação e nas Finanças.
Mas isso é outra história, como os comunistas, há que derrubar um inimigo de cada vez, e agora é tempo de repetirmos ao Sócrates o que o Soares ordenou a um polícia numa presidência aberta: “DESAPAREÇA!!!”.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Declaração de interesses

Como o Luís Duarte, também devo fazer uma declaração de interesses:

Sou cabeça de lista à Assembleia Municipal do Cartaxo pelo Bloco de Esquerda.
Sou aderente (militante) do Bloco de Esquerda.
Sou Republicano, Laico e Socialista.
Sou optimista e acredito que podemos todos construir uma sociedade melhor.

Pedro Mendonça

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Política II - Declaração de Interesses


Visto que os meus posts de Setembro serão sobre as eleições, aqui fica a minha declaração de interesses. Se fosse politicamente correcto, diria que sou do espaço não socialista, mas não, sou do centro direita, embora me envergonhem algumas ideias esclerosadas dos seus políticos – e, recordo, historicamente há várias direitas, assim como há muita gente reaccionária no PSD e conservadora à extrema-esquerda.
Tenho votado no CDS, nem sempre com orgulho (podem cascar nele à vontade), mas com alguma perplexidade: o 1º (e 4º) presidente e O candidato presidencial (Freitas e Baião Horta) orbitam no PS; o 2º presidente (Lucas), ao mesmo tempo que uma vaga de presidentes de câmara, passou a preferir o PSD; o 4º presidente (Monteiro) saiu e fundou o seu grupo de amigos, no PND; o 3º presidente (Adriano) ficou, é uma personalidade brilhante, mas José Hermano Saraiva conta em livro como ele tinha mau carácter.
Ah, parece que o 1º presidente (a quem os meninos tiraram a foto da parede, amuados) enganou os sócios e simpatizantes, ao declarar que estava rigorosamente ao meio (esqueceu-se que o partido só não se chamou partido democrata-cristão porque o PDC já estava registado).
Tirando essas “minudências”, há um CDS que representa o personalismo humanista (fica melhor que democracia-cristã) e herda o espólio de De Gaulle, Adenhauer, Khol e Churchill. O Centro-Direita é, com a Social-democracia, o responsável pelo progresso da Europa nos últimos 50 anos, através do apoio social numa economia de mercado (parece que voltou a ser palavrão...).
Pena é que Portugal esteja adernado a bombordo, e que este partido não tenha uma dimensão mais próxima do seu espaço político natural. Pena é que talvez seja o único derrotado a 27, caso o PS ganhe, à custa das resmas de eleitores do CDS que afirmam ir votar agora na Senhora, para ver se correm com o Sócrates. Pena, pois não basta ter razão.
P.S.: Quem ainda não decidiu em quem votar, o CDS é uma casa ao V. dispor. Respeitável, com toalha de linho e copos da Tia-Avó (ainda uns primos esquisitos, que vivem na mansarda, mas isso agora não interessa nada).
Viva a lavoura!

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Política I - Estão abertas as hostilidades


O Debate Sócrates-Portas (TVI) de ontem acabou empatado, embora os adversários tenham saído contentes com o resultado.
Ao minuto 2’, Sócrates aproveitou as fragilidades da defesa contrária e marcou um golaço de baliza aberta, relembrando o fracasso dos governos Durão/Santana e afirmando que Portas era perseguido pelo seu passado.
Minuto 5’, Portas iguala com um tento de bicicleta, lembrando a frase de Sócrates anos antes, “6.9% de desemprego é marca duma governação falhada”, quando a taxa actual é de 9.2% (387 para 507 mil desempregados).
11’, Portas recorda que o aumento de pensões na era Bagão foi 3 vezes superior à de Sócrates, Sócrates recupera a bola e dribla na grande-área de Portas: aumento de salário mínimo de 10% (contra 0% de Portas), genéricos gratuitos para pobres, duplicação da acção social nas escolas.
25’, Sócrates pede cartão amarelo para Portas, por violar regras do jogo (Árbitro andou aos papeis durante os 90’). Portas ataca: diminuiu a convergência das pensões, limitou-se a antecipação das reformas, idosos com 400€ passaram a pagar IRS, diminuíram polícias.
Minuto 60’, Sócrates acusa Portas de querer privatizar a S. Social (há meses, disse que não apostava as reformas na economia de casino...), Portas recupera a bola e lembra que 25% do fundo da S. Social está aplicado na bolsa.
Sobre o apito final, Sócrates instala-se no meio-campo adversário: escolha entre escola pública e privada é descapitalizar a primeira, governo alargou horário escolar e o inglês (técnico?), encerrou escolas até 10 alunos, colocou professores por 4 anos, iniciou anos lectivos a horas. Portas aguentou a pressão, o Governo crispou a escola pública.

O outro confronto (RTPN) teve os 5 cabeças-de-série por Santarém: Lacão (o único repetente), António Filipe (um dos melhores activos da AR), o Pacheco (tirando o transporte de resíduos perigosos na chamusca, foge a problemas locais, é mais abstracto) e dois moços, um barbado em camisa (Zé Gusmão do BE) e outro hiperbarbeado e de gravata (queque da cabeça aos pés, com nome a condizer, Filipe Lobo d’Ávila).
Eu, alheio aos problemas regionais, fiquei a saber: Lacão priorizou rede viária, Gusmão quer acabar com usura bancária, despoluir a bacia do Tejo e reabilitar edifícios, Pacheco fala no envelhecimento populacional e na desertificação (que eu relacionava mais com distritos do interior), Filipe fala de médicos, agricultura e emprego, Ávila apresentou números sobre a economia: falências e desemprego acima da média nacional, investimento (7º em população, 12º e 14º em investimento) e rendimento per capita (830€ contra 930€) abaixo da média. O resto foi espuma nacional.